Incomunicabilidade na internet

O especificamente comunicacional nas redes sociais de adolescentes goianos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30962/ec.2538

Palavras-chave:

Usos sociais, Internet, Adolescentes

Resumo

Discutimos sobre a tensão entre comunicabilidade e incomunicabilidade na experiência de uso do YouTube e Instagram por adolescentes goianos. Trata-se de um trabalho com abordagem etnográfica, cuja análise foi desenvolvida sob uma perspectiva dialética e especificamente comunicacional. Constatamos que os usos feitos pelos entrevistados estão mais próximos à observação crítica das interações já publicadas por outros agentes que da participação direta nos circuitos. Isso se deve a uma percepção dos jovens de que os conteúdos que poderiam ser produzidos por eles não atenderiam às expectativas geradas pelos usuários das redes nas dinâmicas de uso.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Júlia de Freitas Carrijo , Universidade Federal de Goiás, Goiânia, Goiás, Brasil

Doutoranda em Comunicação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Mestra em Comunicação pela Universidade Federal de Goiás.

Luiz Signates , Universidade Federal de Goiás, Goiânia, Goiás, Brasil

Doutor em Ciências da Comunicação Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação da Universidade de São Paulo. Professor associado IV da Universidade Federal de Goiás, junto ao Mestrado/Doutorado em Comunicação, na linha Mídia e Cidadania e docente efetivo do Mestrado/Doutorado em Ciências da Religião, na linha Cultura e Sistemas Simbólicos, da Pontifícia Universidade Católica de Goiás.

Lara Lima Satler, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, Goiás, Brasil

Doutora em Arte e Cultura Visual pelo Programa de Pós-Graduação em Arte e Cultura Visual da Universidade Federal de Goiás (UFG). Pós-doutora em Estudos Culturais pelo Programa Avançado de Cultura Contemporânea da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Professora do Programa de Pós-Graduação em Performances Culturais (PPGIPC) e Comunicação (PPGCOM), ambos na UFG, tendo publicado os livros Pesquisa em Arte, Audiovisual e Performances (2020) e Perfomances, Mídia e Cinema (2019). Coordena a REdArtH – Rede Internacional de Pesquisa em Educação, Arte e Humanidades.

Referências

BAITELLO JÚNIOR, N. (Org.). Os meios de incomunicação. São Paulo: Annablume; CISC, 2005.

BARROS, L. P.; KASTRUP, V. Cartografar é acompanhar processos. In: PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. (Orgs.). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2015. p. 52-75.

BOYD, D. It’s Complicated: the Social Lives of Networked Teens. New Haven: Yale University Press, 2014.

BRAGA, J. L. Comunicação é aquilo que transforma linguagens. ALCEU, v. 10, n.20, p. 41-54, jan.-jun., 2010a.

______. Nem rara, nem ausente – tentativa. Matrizes, São Paulo, ano 4, n. 1, p. 65-81, jul.-dez. 2010b.

______. Circuitos versus campos sociais. In: MATTOS, M. Â. (Org.). Mediação & midiatização. Salvador: Edufba, 2012. p. 31-52.

BRAGA, J. L.; CALAZANS, R. Conclusões: inferências transversais. In: BRAGA, J. L. et al. Matrizes interacionais: a comunicação constrói a sociedade. Campina Grande: EDUEPB, 2017. p. 359-406.

CAÑIZAL, E. P. O silêncio nos entremeios da cultura e da linguagem. In: BAITELLO JÚNIOR, N. (Org). Os meios de incomunicação. São Paulo: Annablume; CISC, 2005.

DE BEAR, L. B. Una retórica del silencio: funciones del lector y procedimientos de la lectura literaria. Cidade do México: Siglo XXI Editores, 1984.

FABRA, M. L.; DOMÈNECH, M. Hablar y escuchar. Barcelona: Paidós, 2001.

FLICK, U. Introdução à pesquisa qualitativa. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.

GASKELL, G. Entrevistas individuais e grupais. In: BAUER, M. W.; GASKELL, G. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som. 2. ed. Tradução de Pedrinho A. Graneschi. Petrópolis: Editora Vozes, 2003. p. 64-89.

GOFFMAN, E. A representação do eu na vida cotidiana. Tradução de Maria Célia Santos Raposo. 20. ed. Petrópolis: Vozes, 2018.

HABERMAS, J. Teoria do agir comunicativo, v.1: racionalidade da ação e racionalização social. Tradução de Paulo Astor Soethe e Flávio Beno Siebeneichler. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2012.

IASBECK, L. C. A. A incomunicação da loucura. In: BAITELLO JÚNIOR, N. (Org.). Os meios de incomunicação. São Paulo: Annablume; CISC, 2005. p. 35-46.

JACKS, N; SCHMITZ, D. Sujeitos juvenis e protagonismo social em Jesús Martín-Barbero. Famecos, Porto Alegre, v. 24, n. 2, maio-ago. 2017.

JENKINS, H. Confronting the Challenges of Participatory Culture: Media Education for the 21st Century. Chicago, Illinois: The MacArthur Foundation, 2006.

______. Cultura da convergência. Tradução por Susana Alexandria. 2. ed. São Paulo: Aleph, 2009.

KISCHINHEVSKY, M. Rádio e mídias sociais: mediações e interações radiofônicas em plataformas digitais de comunicação. Rio de Janeiro: Mauad, 2016.

LÉVINAS, E. Autrement qu’être ou au-delà de l’essence. Den Haag: Martinus Nijhoff, 1974.

LOPES, M. I. V. A teoria barberiana da comunicação. Matrizes, São Paulo, v. 12, n. 1, p. 39-63, jan.-abr., 2018.

LUHMANN, N. Sistemas sociais: esboço de uma teoria geral. Petrópolis: Vozes, 2016.

MARCONDES FILHO, C. O escavador de silêncios: formas de construir e de desconstruir sentidos na comunicação. São Paulo: Paulus, 2004a.

______. Até que ponto, de fato, nos comunicamos? Uma reflexão sobre o processo de individuação e formação. São Paulo: Paulus, 2004b.

¬MARTÍN-BARBERO, J. Dos meios às mediações: comunicação, cultura e hegemonia. Tradução de Ronald Polito e Sérgio Alcides. 1. ed. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1997.

______. Comunicação e mediações culturais. Entrevista concedida a Claudia Barcelos. Tradução de Silvia Rojo Santamaria. Revista Brasileira de Ciências da Comunicação – Intercom, v. 23, n. 1, p. 151-163, jan.-jun. 2000.

______. Ofício de cartógrafo: travessias latino-americanas da comunicação na cultura. Tradução de Fidelina González e Renata Pallotini. São Paulo: Edições Loyola, 2004.

______. De la experiencia al relato: cartografías culturales y comunicativas de Latinoamérica. Revista Anthropos, n. 219, p. 21-42, 2008.

______. Dos meios às mediações: 3 introduções. Tradução de Fernanda Castilho e Maria Immacolata Vassalo Lopes. Matrizes, São Paulo, v. 12, n. 1, p. 9-31, jan.-abr. 2018.

PRIMO, A. O que há de social nas mídias sociais? Reflexões a partir da Teoria Ator-Rede. Contemporânea, v. 10, p. 618-641, 2012.

RECUERO, R. Curtir, compartilhar, comentar: trabalho de face, conversação e redes sociais no Facebook. Verso e Reverso, v. 28, p. 114-124, 2014.

SCHECHNER, R. Performance Studies: an Introduction. Nova York: Routledge, 2002.

SIGNATES, L. Epistemologia e comunicabilidade: as crises das ciências, ante a perspectiva da centralidade do conceito de comunicação. Comunicação & Informação, v. 15, p. 133-148, 2012.

______. Da exogenia aos dispositivos: roteiro para uma teorização autônoma da comunicação. Líbero, n. 36, p. 143-152, jul.-dez. 2015.

______. A comunicação como ciência básica tardia: uma hipótese para o debate. E-Compós, v. 21, n. 2, maio-ago. 2018.

______. O que é especificamente comunicacional nos estudos brasileiros de comunicação da atualidade. In: BRAGA, J. L. et al. (Orgs.). 10 perguntas para a produção de conhecimento em comunicação. São Leopoldo: Editora UNISINOS, 2019. p. 19-29.

WATZLAWICK, P.; BEAVIN, J. H.; JACKSON, D. D. Pragmática da comunicação humana: um estudo dos padrões, patologias e paradoxos da interação. São Paulo: Cultrix, 2007.

WILLIAMS, R. Cultura. Tradução de Lólio Lourenço de Oliveira. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

Downloads

Publicado

10-06-2022

Como Citar

de Freitas Carrijo , A. J. ., Signates , L. ., & Lima Satler, L. (2022). Incomunicabilidade na internet: O especificamente comunicacional nas redes sociais de adolescentes goianos. E-Compós, 25. https://doi.org/10.30962/ec.2538

Edição

Seção

Artigos Originais